Sei que já não estamos no mês de junho, mas este é um dos meses que me traz maravilhosas recordações! É um mês onde tenho algumas das mais espetaculares datas da minha vida. Só me é possível dar este testemunho porque, como vão ter a oportunidade de ler, o meu “depois” é mais forte que o meu “antes”.

Antes eu era um perdido!

Desde os meus sete anos comecei a fumar tabaco, pois se queria acompanhar com A ou com B eu tinha de fazer o que eles faziam e essa onda de influência acompanhou-me durante vários e longos anos, tanto que, aos dez anos, para ser mais um bacano e machão lá da escola comecei a fumar haxixe e erva sem ligar ao que devia ligar. Lá andava eu a caminhar para o incerto.

A minha onda era de aventuras e novas experiências. Depois de ter largado a escola aos catorze anos e logo e seguida começado a trabalhar, entre altos e baixos e no meio de tantas aventuras, chego aos dezasseis anos e torno-me num escravo da heroína e da cocaína. Onda essa que, uma vez mais, me alcançou por ser demasiado influenciável.

Passado três semanas de ter começado a fumar heroína deixei o fumo de parte e comecei a injetar cocaína e heroína. Aos dezanove anos entrava pela primeira vez numa prisão, não para visitar alguém, mas sim para começar a ser visitado. Desde esse dia, 4 de agosto de 1992, até ao dia 14 de junho de 2006, foram quatro as detenções que me tiraram onze anos e meio de liberdade, mas foi também onde conheci a Verdade, o Caminho e a verdadeira Liberdade.

Nos intervalos das detenções tentei de várias formas de livrar-me da solidão que havia dentro de mim, um vazio constante e arrepiante. Mas quando dava por mim já estava a consumir novamente e tornava-me, uma vez mais, um sem abrigo refugiando-me no meu pior vício, a solidão. Dormindo na rua, comendo dos caixotes do lixo, roubava aqui e enganava acolá, tanto mal que fiz, a mim e a outros, só para injetar a morte. Na última detenção eu estava com 42 kg, eu era só pele e osso.

Agora vem o depois!

Estava preso há um ano e meio quando, no dia 23 de junho de 2003 oiço: - “reclusos da aula B que queiram assistir às reuniões do Desafio Jovem, dirijam-se à respetiva sala de reuniões”. Fez-se um clique dentro de mim e decidi procurar a verdadeira Liberdade. Desde esse dia e até ao dia de hoje faz treze anos que larguei as drogas. Decidi aceitar a ajuda através de alguém que se deixa usar por Deus e comecei a injetar o amor de Jesus Cristo no meu coração. Para além das drogas também comecei a largar a solidão, comecei a gostar e a amar mais a minha pessoa e os resultados foram aparecendo. Mas o melhor ainda estava para acontecer. Dia 14 de junho de 2006, saí da prisão, mas não vou dizer que saí para a liberdade, uma vez que eu já vinha livre lá de dentro. Uma vez cá fora, o processo não parou, dei entrada no centro do Desafio Jovem continuei a aprender a mudar o meu carácter e as minhas atitudes porque as drogas já havia quase três anos que não consumia.

Depois de aceitar Jesus Cristo como meu Senhor e Salvador, o meu “antes” começou a sair de mim de tal maneira que o que para mim era completamente impossível Deus mostrou-me que era possível e para que eu ficasse bem convicto de que para Ele nada é impossível, concretizou os meus sonhos e respondeu às minhas orações. Eu sonhava com uma mulher e filhos e na minha cela todas as noites, nas minhas orações, eu Lhe pedia. Como presente, Deus deu-me uma mulher e três filhos para cuidar e amar. Em junho de 2007 eu conheci a minha atual mulher, começamos a namorar em julho e casámos em outubro desse mesmo ano.

Voltando a junho novamente, precisamente a 15 de junho de 2009, nasce o membro mais novo da nossa família.

Boas datas as do mês de junho, só porque o “depois” prevalece vendo o “antes” dia após dia, cada vez mais longe.

II de Coríntios 5:17 “É que quando alguém está unido a Cristo torna-se uma pessoa nova. As coisas antigas passaram e tudo é novo.”

 

Por isso é que eu sempre digo: - É p’a diante!