Chamo-me João Mendes, tenho 42 anos, mas morri há 18 anos atrás...

Fui criado numa família preocupada com o bem-estar dos filhos, focada no trabalho e nos objetivos pessoais, mas pouco atenta às nossas verdadeiras necessidades.

Desde miúdo que me deram responsabilidade, tinha de cuidar da minha irmã e fazer a lida da casa, mas era um miúdo revoltado. Aos 13 anos já fumava tabaco, depois comecei a fumar haxixe e nunca mais parei. Comecei a procurar na rua, com os amigos, o que não tinha em casa. Os meus pais apenas controlavam a hora a que eu chegava a casa, mas se eu estivesse drogado ou bêbado, eles não notavam sequer.

Por volta dos 13 anos tive um sonho estranho: sonhei que ia morrer com 27 anos. Este sonho veio agudizar mais ainda a minha situação, pois a partir daí decidi que queria viver tudo com o máximo de intensidade. Passados alguns anos, descobri que todos os meus ídolos: Jim Morrison, Kirk Cobain, Jimi Hendrix, Janis Joplin, etc., tinham tido vidas como a que eu estava a ter e tinham morrido aos 27 anos! O sonho passou a profecia, e durante muitos anos vivi numa melancolia depressiva muito intensa, sabendo que as drogas, o álcool, etc. seriam o meu fim…

Apesar da escalada de consumos durante a escola, muito haxixe e álcool, consegui terminar o 12º ano. Contudo, aos 19 anos fui trabalhar, e a partir daí, já com um carro nas mãos, foi o descontrolo total até aos 26 anos.

Foi então que, um dia, tive de escolher entre a morte num canto de um prédio, a prisão ou a última tentativa para mudar de vida: entrar para o programa do Desafio Jovem. Optei por ir para o Desafio Jovem. Comecei a frequentar o café-convívio e entrei, mas, não foi fácil! Não foi tanto pela dureza da dependência física, mas pela dureza do meu interior: mudar o meu carácter, aprender a perdoar-me a mim próprio e aos outros, e a saber desfrutar da vida sem “estar de cabeça cheia”, foi um processo longo, mas, percebi que não estava só.

No Desafio Jovem deram-me a conhecer Jesus. Não o Jesus dos livros, mas o Jesus pessoal, que se quer relacionar contigo. Ao despertar para a dimensão espiritual da vida descobri a fé, e descobri o amor incondicional de Deus por mim. Esse amor quebrou a revolta do meu coração, deu-me um sentido de pertença e força para enfrentar as dificuldades da vida. Vendo hoje, o tempo que estive no programa, foi o melhor tempo da minha vida! Foi difícil, mas Deus esteve sempre comigo…

Hoje sou um homem casado e feliz! Até nisso vi Deus a guiar a minha vida, pois casei com alguém que também tem um relacionamento pessoal, espiritual, com Jesus e que, por acaso, conheceu-o na altura em que eu estava a fazer o programa…esperámos um pelo outro e somos pais do Josué e da Salomé, duas crianças maravilhosas e saudáveis… também aqui vejo a mão de Deus! E, a nível profissional, voltei a estudar, fiz uma licenciatura em gestão e uma pós-graduação.

Aquele sonho “profético” de morte foi quebrado quando entendi o amor de Deus por mim, expresso em Jesus. Não morri aos 27 anos por causa das drogas, morri aos 26 PARA AS DROGAS e aos 27 anos comecei realmente a viver!

Seja qual for a tua circunstância ou condição, deixa que seja Deus a ter a última palavra – aconteceu comigo! Foi para isso que ELE deu o seu único filho, Jesus, por ti e por mim! (Ev. João 3:16)